Cajucultura se destaca nos municípios do Maciço de Baturité

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Entre as diversas atividades da agropecuária que movimentam a economia de Acarape e Barreira, dois municípios pertencentes à macrorregião do Maciço de Baturité, uma delas se destaca: a produção de caju. De acordo com dados da Empresa de Assistência Técnica Extensão Rural do Ceará (Ematerce), existem atualmente cerca de 2.500 produtores de caju somente na região, em uma área composta por 4.350 hectares de cajueiro anão precoce e outros 6.600 hectares de cajueiro gigante ou comum.

As colheitas de castanha e de pedúnculo são vendidas para as agroindústrias de polpas de frutas e beneficiamento de castanhas, nos municípios de Redenção, Barreira, Pacajus, Baturité e Fortaleza. De acordo com dados da Ematerce, atualmente o preço da castanha de caju ou fruto é vendido por cerca de R$ 6,00 o quilo, de forma “in natura”. O pedúnculo, por sua vez, que contém a polpa do caju, é vendido no mercado pelo preço de R$ 20,00 por cada caixa de 25 kg.

Vários produtores de caju se destacam pela sua organização empreendedora, pela comercialização da produção e pela transformação da produção de caju em subprodutos, o que muitas vezes ocorre na própria unidade de produção, por meio de pequenas agroindústrias de transformação do pedúnculo em polpa e da castanha em amêndoa própria para consumo. 

Segundo dados da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado do Ceará, entre os subprodutos do caju, a castanha tem grande importância econômica para a economia do Ceará. Em 2021 foram exportados o equivalente a US$ 90,2 milhões somente do produto, que é o principal foco das exportações do agronegócio cearense, de acordo com dados da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec).

Na macrorregião do Maciço de Baturité se encontra o município cearense no qual a atividade agropecuária tem um dos maiores percentuais de participação na economia: trata-se de Redenção, a 200 km de Fortaleza. 46,34% das atividades econômicas municipais são de origem agropecuária, de acordo com dados do Ipece de 2018. Por ser uma cidade serrana, é também uma das maiores produtoras de banana do estado. Em 2018, a cidade também se destacou na produção de suíno e ovos de galinha.

A macrorregião ainda concentra outros seis municípios nos quais a atividade ocorre com intensidade, entre eles: Capistrano, que ocupa o sexto lugar no ranking, com participação de 35,83%. Palmácia, Mulungu, Aratuba, Pacoti e Guaramiranga também têm destaque no setor. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.