Cultivo de leguminosas impulsiona agronegócio no Litoral Norte

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) – RAIS, a Agropecuária gera mais de 1.200 empregos formais na macrorregião Litoral Norte, o que corresponde a 5,4% da quantidade de empregos formais no setor em todo o Estado. A vocação para o agronegócio e a agricultura familiar é um dos destaques do encontro que o Move Ceará promove com o setor produtivo da macrorregião.

A produção de milho e feijão são destaque no setor da agricultura da macrorregião. Cada um dos grãos alcançou uma produção total de mais de 23 toneladas em 2020. Em Acaraú, o cultivo das duas leguminosas correspondeu, em 2020, a soma 50 hectares de área colhida, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Na pecuária, a criação de suínos e galináceos predomina em todos os 13 municípios da macrorregião. Com um valor efetivo de mais de 120 mil cabeças em 2020, a criação de suínos no Litoral Norte corresponde a quase 10% de toda a produção do Estado, segundo dados do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). 

A produção anual de leite alcançou, em 2017, a marca de 1,6% da produção de todo o Estado, enquanto a produção de mel de abelha representou 1,02% da produção cearense naquele ano.

Agricultura Familiar 

Segundo o Censo Agropecuário de 2017, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a macrorregião conta com 20 mil unidades familiares de produção rural, distribuídas em cerca de 40 Entidades Associativas e Cooperativas da Agricultura Familiar. Há 3.913 delas localizadas no município de Granja, enquanto outras 3.791 estão concentradas no município de Acaraú. A análise do valor da produção animal nas unidades de produção rural familiares do Ceará revela um percentual de 47,0% e 62,0% segundo o último censo agropecuário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.